SISTEMAS

ESPECIAIS

BOLETIM

Saiba por e-mail as novidades do site.

Endereço de correio:

 

--- Clique Todo Dia para Colaborar! ---

Para obter material didático sobre outras áreas da biologia, acesse:

 

Musculatura Lisa

A estriação não existe nos músculos viscerais, que se chamam, portanto, músculos lisos. Os músculos viscerais são também constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas: têm, na verdade, um tamanho que varia de 30 a 450 mícrons. Têm, além disso, um só núcleo e não são comandados pela vontade, ou seja, sua contração é involuntária, além de lenta. As fibras lisas recebem, também, vasos e nervos sensitivos e motores provenientes do sistema nervoso autônomo.


Embora a contração do músculo liso também seja regulada pela concentração intracelular de íons cálcio, a resposta da célula é diferente da dos músculos estriados. Quando há uma excitação da membrana, os íons cálcio armazenados no retículo sarcoplasmático são então liberados para o citoplasma e se ligam a uma proteína, a calmodulina. Esse complexo ativa uma enzima que fosforila a miosina e permite que ela se ligue à actina. A actina e a miosina interagem então praticamente da mesma forma que nos músculos estriados, resultando então na contração muscular.

Musculatura Cardíaca

O tecido muscular cardíaco forma o músculo do coração (miocárdio). Apesar de apresentar estrias transversais, suas fibras contraem-se independentemente da nossa vontade, de forma rápida e rítmica, características estas, intermediárias entre os dois outros tipos de tecido muscular

As fibras que formam o tecido muscular estriado cardíaco dispõem-se em feixes bem compactos, dando a impressão, ao microscópio óptico comum, de que não há limite entre as fibras. Entretanto, ao microscópio eletrônico podemos notar que suas fibras são alongadas e unidas entre si através de delgadas membranas celulares, formando os chamados discos intercalares, típicos da musculatura cardíaca.

A contração muscular segue praticamente os mesmos passos da contração no músculo estriado esquelético , com algumas diferenças :

  • os túbulos T são mais largos que os do músculo esquelético;
  • retículo sarcoplasmático menor;
  • as células musculares cardíacas possuem reservas intracelulares de íons cálcio mais limitada;
  • tanto o cálcio intracelular quanto o extracelular estão envolvidos na contração cardíaca: o influxo de cálcio externo age como desencadeador da liberação do cálcio armazenado na luz do retículo sarcoplasmático, provocando a contração ao atingir as miofibrilas e levando ao relaxamento ao serem bombeados de volta para o retículo.

Características

Lisa

Estriada Esquelética

Estriada Cardíaca

Forma

Fusiforme

Filamentar

Filamentar ramificada
(anastomosada)

Tamanho (valores médios)

Diâmetro: 7mm Comprimento: 100mm

30mm centímetros

15mm 100mm

Estrias transversais

Não há

Núcleo

1 central

Muitos periféricos (sincício)

1 central

Discos intercalares

Não há

Não há

Contração

Lenta, involuntária

Rápida, voluntária

Rápida, voluntária

Apresentação

Formam camadas envolvendo órgãos

Formam pacotes bem definidos, os músculos esqueléticos

Formam as paredes do coração (miocárdio)

Recomende este site

Clique para consultar na Bioloja:

Apresentação: Introdução à Fisiologia Humana

Apresentação: Sistema Esquelético

Apresentação: Sistema Muscular

Apresentação: Tecido Muscular

Apresentação: Fisiologia da Contração Muscular

 

 

Clique para consultar no UOL Cursos Online:

Doenças Neuromusculares

Técnicas Posturais

Musculação do Iniciante ao Avançado

 

Clique para consultar no Submarino:

Resumão Músculos, Origens & Inserções

Resumão: Artrose

Ossos, Músculos e Articulações Saudáveis - Um Guia para se Manter Ativo por Toda a Vida

Estrutura e Função do Sistema Musculoesquelético JAMES WATKINS

Anatomia do Corpo em Movimento: Ossos, Músculos e Articulações THEODORE DIMON JR.

Músculos SIEGEL

Radiologia - Anatomia Humana - Noções Básicas de Traumatologia CASSIA XAVIER SANTOS (Org.)

Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL

Netter - Atlas de Fisiologia Humana  BRUCE M. KOEPPEN, JOHN T. HANSEN

Fisiologia Humana  ARTHUR C. GUYTON

Fundamentos de Anatomia e Fisiologia  DONALD C. RIZZO

 

     

www.afh.bio.br © Ana Luisa Miranda-Vilela