SISTEMAS

ESPECIAIS

BOLETIM

Saiba por e-mail as novidades do site.

Endereço de correio:

 

--- Clique Todo Dia para Colaborar! ---

Para obter material didático sobre outras áreas da biologia, acesse:

 

Questões discursivas (para assinantes) Transparências disponíveis (para assinantes)

AINDA UM TABU???

Sob um ponto de vista restrito, masturbação é a estimulação dos próprios genitais usando as mãos e dedos ou com o auxilio de objetos. De maneira mais ampla, a masturbação pode ser definida como a estimulação dos órgãos genitais, ânus, mamilos e outras partes do corpo, uti1izando-se as mãos e objetos, podendo ser realizada pela própria pessoa ou pelo(a) seu(sua) parceiro(a). Em linguagem popular a masturbação masculina é denominada punheta e a feminina siririca. A maioria das pessoas se masturba durante, praticamente, toda a vida. São muitos os relatos de crianças que se masturbam com menos de três anos de idade.

Os dados referentes à masturbação são variáveis, porém consistentes. Podemos dizer que na idade adulta a maioria das mulheres e a quase totalidade dos homens se masturbam. No Brasil, 69% dos homens e 56% das mulheres consideram a masturbação saudável.

A prática da masturbação é mais intensa na infância / adolescência e na idade avançada, períodos da vida nos quais a pessoa pode não ter parceiro(a) sexual, mas a maioria das pessoas se masturba mesmo quando envolvidas em relacionamentos estáveis.

 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A MASTURBAÇÃO

A masturbação é prejudicial à saúde?

Não. A masturbação não causa nenhum mal físico ou menta1. Ao contrário, masturbar-se é uma forma saudável de alivio da tensão sexual e de entendimento da própria sexualidade, além de ser uma prática de sexo seguro.

Segundo publicação da Revista Galileu de agosto 2003, pesquisadores do Conselho Victoria de Câncer, na Austrália, concluíram que masturbação cinco vezes por semana pode reduzir em um terço os riscos de homens entre 20 e 50 anos desenvolverem câncer de próstata (o mesmo não se aplica para as relações sexuais).

 Qual a freqüência normal de masturbação?

Depende. Algumas pessoas se satisfazem masturbando-se uma vez por semana, outras diariamente. Se a freqüência de masturbação chega a causar perturbação na atividade diária ou lesões nos órgãos genitais, a pessoa deve procurar ajuda especializada.

A masturbação atrapalha o desenvolvimento da sexualidade?

Ao contrário, a masturbação ajuda no desenvolvimento da sexualidade. Mulheres que se masturbam têm mais chance de gozar com a penetração do que as que nunca se masturbam.

Posso perder a virgindade me masturbando de vez em quando?

Depende. Se você utiliza acessórios e os introduz ou força a abertura vaginal, pode. Se apenas acaricia o clitóris e a vulva sem forçar a abertura, é improvável que o hímen se rompa.

Na Grécia Antiga, a homossexualidade era uma prática natural e esteticamente bela. Com a civilização judaico-cristã, caiu em desgraça. Chegou a ser considerada doença - equívoco que se prolongou até 1974 - quando a Organização Mundial de Saúde riscou-a de sua lista de enfermidades. As pesquisas sobre uma possível origem genética, realizadas a partir de 1991, causaram polêmica. Mas um novo caminho surgiu, embora os estudos não sejam conclusivos, nem descartem as causas emocionais e culturais. 

Hoje já se sabe que não se trata de uma opção, mas de uma condição - tão humana quanto andar, comer ou respirar. Mesmo assim o assunto continua a ser tabu, envolto em preconceito e na falta de informação. 

A orientação sexual, quer para heterossexuais, quer para homossexuais não parece ser algo que uma pessoa escolha. Alguns estudos recentes indicam que a orientação sexual tem uma grande influência genética ou biológica sendo, provavelmente, determinada antes ou pouco depois do nascimento. Sendo estes estudos não conclusivos, é irresponsável assumir que a homossexualidade é uma escolha. Tal como os heterossexuais, os homossexuais descobrem a sua sexualidade como um processo de crescimento. A única escolha que o homossexual pode tomar é a de viver a sua vida de acordo com a sua verdadeira natureza, ou de acordo com o que a sociedade espera dele. Descrever a homossexualidade como um simples caso de escolha é ignorar a dor e confusão por que passam tantos homens e mulheres homossexuais quando descobrem a sua orientação sexual. É absurdo pensar que esses indivíduos escolheram deliberadamente algo que os deixa expostos à rejeição por parte da família, amigos e sociedade. Este preconceito também ignora todos os homossexuais que tentaram viver a sua vida como heterossexuais, escondidos atrás de uma fachada de casamento, sempre sentido um vazio e falta de realização pessoal. Há ainda muito a aprender sobre a sexualidade humana.

Mais tolerância

Numa sociedade que tenta ainda condenar qualquer tipo de nuance da sexualidade que ultrapasse o modelo heterossexual, não é difícil entender os conflitos sociais e pessoais que as minorias sexuais têm de enfrentar. Não é à toa que nos Estados Unidos, por exemplo, onde há mais estatísticas a respeito, o número de adolescentes homossexuais que cometem suicídio é de 2 a 6 vezes maior do que os não-homossexuais, representando a triste marca de 30% de todos os casos de suicídio registrados com adolescentes.

Violência contra si próprios; violência da sociedade contra eles. Os casos de assassinatos de homossexuais no Brasil vêm crescendo, segundo estudos feitos pelo Grupo Gay da Bahia, um dos mais atuantes do Brasil.

Será que uma pessoa escolhe viver assim? Será que pode ser julgada e condenada por que não segue os padrões sexuais estruturados pela sociedade? E se seu pai, mãe, irmão, irmã, filho ou filha fosse homossexual? Você ainda assim continuaria pensando que foi uma opção de vida e por isto devem ser castigados ou entenderia melhor?

Você assistiu ao deprimente filme “Beleza Americana”? Se não, assista e reflita sobre, caso tenha algum preconceito a respeito.

Ninguém quer conviver com diferenças e marginalizações, mas às vezes elas surgem para nos ajudar a crescer e respeitar o próximo. Pense a respeito.

Perguntar não ofende

Todo atraso de menstruação significa gravidez?

Não. A partir da primeira menstruação, a menina ainda demora de seis meses a um ano para chegar ao amadurecimento total de seu sistema reprodutor e hormonal. Por isso, nesse período é comum haver grandes atrasos de menstruação ou, ao contrário, ocorrer mais de um episódio de sangramento por mês. Na vida adulta, distúrbios hormonais também podem provocar alterações no ciclo menstrual. Mas, se o atraso for acompanhado de sono, tontura.

Por que a AIDS não se transmite através do beijo?

A transmissão oral do HIV é um evento raro, até mesmo quando há sangue e exsudato (matéria resultante de processo inflamatório e que, saindo de vasos sangüíneos, se deposita em tecidos ou superfícies teciduais - constituída de líquido, células, fragmentos celulares, sendo caracterizada por alto conteúdo protéico) presentes. A saliva inibe a ação de infectividade do vírus HIV. O rompimento hipotônico pode ser um mecanismo importante, através do qual a saliva mata leucócitos infectados e impede sua ligação às células epiteliais da mucosa e a produção de HIV, evitando, desta forma sua transmissão.

Porém, um volume suficiente de fluido isotônico (sangue, exsudatos e leite) evita a lise de leucócitos, porque dilui a saliva. O fluido seminal também protege as células infectadas contra a ação da saliva.

Nunca foi relatada a transmissão pelo beijo, entre parceiros não sexuais, mas já houve relato de transmissão por mordida, segundo dados da U.S. Department Of Health And Human Services.

Quais os riscos do sexo anal?

O reto e o ânus são órgãos com intensa irrigação sangüínea e é comum a existência de fissuras (pequenos cortes) nessa região. Por essa razão, o sexo anal é a fonte mais fácil de transmissão de doenças por via sangüínea, como hepatite e aids. Ao contrário do ânus, a vagina tem uma mucosa espessa, com pouca vascularização, que torna difícil a ocorrência de sangramento. Por isso, no sexo anal, é ainda mais importante o uso da camisinha. Para evitar machucados, pode-se usar também um gel lubrificante.

O que é ponto G?

O ponto Grafemberg, mais conhecido como ponto G (recebe esse nome porque teria sido descoberto pelo ginecologista alemão Grafenberg), é uma pequena saliência altamente sensível e erógena, do tamanho de uma moeda de 5 centavos, localizada no fundo da parede frontal da vagina de todas as mulheres.

Ele desencadeia um tipo de orgasmo diferente do clitoriano, quando as mulheres alegam sentir ondas de prazer percorrendo o corpo inteiro, não apenas a genitália. Com a estimulação do ponto G, as sensações são muito mais profundas e, algumas vezes, incontrolavelmente prazerosas.

HOMEM: Os homens também têm o seu próprio ponto G: a próstata, uma glândula localizada logo abaixo da bexiga. Parece com o ponto G feminino, porque é altamente erógena e fica escondida na parte interna do corpo.

Mas, na prática, os cientistas ainda não conseguiram provar sua existência.

 Uma mulher pode ficar grávida mesmo se o homem não ejacular durante o ato sexual?

Pode sim. Embora algumas pessoas pratiquem o chamado "coito interrompido" como forma anticoncepcional, existe o risco de gravidez porque, antes da ejaculação, o pênis elimina um líquido lubrificante, secretado pelas glândulas bulbouretrais e epidídimo, que pode conter espermatozóides.

O que é fimose? Por que e quando é necessária a cirurgia?

Fimose é a dificuldade, ou mesmo a impossibilidade de expor a glande ("cabeça" do pênis) porque o prepúcio ("pele" que recobre a glande) tem um anel muito estreito. O prepúcio colado na glande é freqüente e normal nos primeiros anos de vida (aos 6 meses somente 20% dos meninos conseguem expor totalmente a glande, mas quase 90% já o conseguem aos 3 anos). 

Assaduras e cicatrizes (fibrose) retraem a pele, tornando o anel prepucial mais estreito. Também existem casos de crianças em que os pais, preocupados com o acolamento entre a glande e o prepúcio fazem "massagem", forçando a pele, e ocasionando pequenos traumatismos (microtraumatismos), que ao cicatrizarem tornam o anel estreito, e aí formam uma verdadeira fimose. Essa massagem, ao causar dor e desconforto também cria na criança o medo de que alguém mexa nos seus genitais. Este medo interfere na higiene peniana e, ao não se realizar uma boa higiene, ocorrem as inflamações ou infeções do prepúcio, que são outra causa da fimose. Este medo também dificulta a aceitação da cirurgia, dos cuidados pós-operatórios, e interfere na aceitação da sexualidade. 

A cirurgia, denominada circuncisão ou postectomia, visa: 

a) Permitir a higiene adequada do pênis.

b) Permitir no futuro um relacionamento sexual satisfatório.

c) Evitar ou corrigir a PARAFIMOSE (quando o orifício de abertura do prepúcio, por ser muito estreito, fica preso logo abaixo da glande, com dor, inchaço imediato e dificuldade de urinar.

d) Diminuir o risco de balano-postites (infeções do prepúcio e glande), infeções urinárias, doenças venéreas e do câncer no pênis.

e) Diminuir o risco de câncer de colo de útero na sua futura esposa.

Em relação à cirurgia, nos casos não complicados aguarda-se até ao redor dos 7 - 10 anos de idade , por 3 motivos:

a) Neste período pode ocorrer o descolamento normal do prepúcio, a cura, não necessitando mais da cirurgia.

b) Até os 5 - 6 anos o menino realiza sua identificação sexual, chamada Fase Fálica, portanto o menino já entende a necessidade da cirurgia, e não corre o risco de achar que foi cortado um pedaço do seu pênis (Síndrome da Castração)

c) Antes da adolescência, quando as ereções mais frequentes tornam o pós-operatório mais doloroso e aumentam o risco das complicações.

Observações:

a) A fimose não impede, nem prejudica o crescimento do pênis, portanto a cirurgia não vai ajudar o crescimento do mesmo.

b) É estimado que mais de 18% dos meninos não circuncidados podem ter indicações cirúrgicas até os 8 anos de idade.

(Maiores informações: www.uroped.com.br/tiraduv/fimose.htm)

Mulheres virgens podem fazer uso de absorvente interno sem perder a virgindade?

Depende do tipo de hímen. Se for do tipo anular (olhar em sistema reprodutor feminino) provavelmente não haverá problemas. A melhor maneira de se informar é consultando o ginecologista.

Tenho suspeita de ovário policístico. Posso fazer ecografia transvaginal, mesmo sendo virgem, sem comprometer minha virgindade?

O aparelho utilizado na ecografia transvaginal é bastante fino. Se seu hímen for do tipo anular (olhar em sistema reprodutor feminino), provavelmente não será comprometido, desde que avise ao médico que realizará a ecografia que ainda é virgen. No mais, o melhor é conversar com o (a) ginecologista abertamente, colocando todas as suas dúvidas e medos a respeito.

O que é cisto ovariano e ovário policístico?

O primeiro refere-se a pequena coleção de líqüido que aparece em um ou em ambos os ovários. Pode causar discreta dor em um lado na região baixa do abdômen, sem relação com a menstruação. Não causa obesidade, alterações hormonais, nem alterações menstruais. Muitas vezes, os cistos ovarianos são assintomáticos e são descobertos por acaso durante a realização de ultra-som ou mesmo durante uma cesárea.

Quando ocorrem distúrbios no ciclo menstrual, obesidade, muitas vezes acompanhados de acne ("espinhas") e hirsutismo (aumento da quantidade de pelos ou mudança na sua distribuição), podemos estar diante de outra doença, a Síndrome dos Ovários Policísticos (S.O.P.) - também conhecida como Síndrome de Stein-Leventhal - causa importante de esterilidade conjugal.

Ao contrário do anterior, a SOP é acompanhada de intensas e complexas anormalidades hormonais que são, ao mesmo tempo, causa e conseqüência desta doença. Na prática, é multiforme, isto é, assume várias formas, desde a mais leve, com poucos sintomas, até a mais acentuada, com todas as alterações citadas. Há também diversas graduações dos quadros intermediários.

É altamente aconselhável a consulta a um ginecologista com especialização na área de Ginecologia Endócrina; este encontra-se mais afeito aos meandros e dificuldades próprios ao manejo desta doença.

 (Dr.Irineu Wajntraub - Ginecologista e Obstetra - São Paulo- SP - www.nib.unicamp.br/svol/artigo40.htm)

Recomende este site

Clique para consultar na Bioloja:

Apresentação: Introdução à Fisiologia Humana

Apresentação: Sistema Reprodutor Feminino

Apresentação: Histologia do Aparelho Reprodutor Feminino

Apresentação: Sistema Reprodutor Masculino

Apresentação: Diferenciação e Desenvolvimento Sexual Masculino

Apresentação: Espermatogênese

Apresentação: Puberdade Masculina

Apresentação: Aspectos da Reprodução Masculina

Apresentação: Métodos Anticoncepcionais

Apresentação: Gravidez na Adolescência

Apresentação: Fisiologia e Patologias do Sistema Reprodutor Masculino

 

 

Clique para consultar no UOL Cursos Online:

Reprodução Sexuada e Embriologia

Visão psicodinâmica e distúrbios sexuais

Diabetes Gestacional

Massagem em Gestantes

A Mamoplastia Redutora

Nutrição Materno Infantil

 

Clique para consultar no Submarino:

Metodos Anticoncepcionais ANIBAL FAUNDES, CARLOS ALBERTO PETTA

Resumão Sistema uro-genital VINCENT PEREZ

Rotinas em Infertilidade e Contracepção EDUARDO PANDOLFI PASSOS, JOÃO SABINO L. CUNHA, FERNANDO FREITAS

Infertilidade Masculina NELSON RODRIGUES NETTO JUNIOR

Infertilidade Masculina: Informações Práticas MARIO PEDRO DOS SANTOS

Manual Prático de Tratamento Clínico das Disfunções Sexuais RICARDO C. CAVALCANTI

Disfuncão Sexual - Diagnóstico e Tratamento MARIO PARANHOS & MIGUEL SROUGI

Gravidez & Parto ESTELA DAVILA

Da Gravidez à Amamentação VITORIA PAMPLONA, TOMAZ PINHEIRO DA COSTA, MARCUS RENATO DE CARVALHO

Endocrinologia Ginecológica e Reprodutiva MARIO GÁSPARE GIORDANO

Endocrinologia Ginecológica LUCAS VIANNA MACHADO

Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL

Netter - Atlas de Fisiologia Humana  BRUCE M. KOEPPEN, JOHN T. HANSEN

Fisiologia Humana  ARTHUR C. GUYTON

Fundamentos de Anatomia e Fisiologia  DONALD C. RIZZO

 

     

www.afh.bio.br © Ana Luisa Miranda-Vilela