SISTEMAS

ESPECIAIS

BOLETIM

Saiba por e-mail as novidades do site.

Endereço de correio:

 

--- Clique Todo Dia para Colaborar! ---

Para obter material didático sobre outras áreas da biologia, acesse:

 

LINHAS DE COMBATE DO SISTEMA IMUNE

RESPOSTA INESPECÍFICA RESPOSTA ESPECÍFICA

Primeira linha de combate

Segunda linha de combate

Terceira linha de combate

Barreiras naturais

Pele e mucosas

Secreções

Flora normal

Peristaltismo

Inflamação

Células fagocitárias

Substâncias antimicrobianas

Altas temperaturas

Anticorpos

Resposta celular citotóxica

PROPRIEDADES DO SISTEMA IMUNE

Especificidade

O organismo reconhece e reage com a produção de anticorpos específicos contra determinado agente infeccioso.

Diversidade

  O sistema imunológico é capaz de reconhecer milhares de tipos de microorganismos, bastante diferentes uns dos outros, e de desencadear contra cada tipo uma resposta adequada.

Sensibilidade

As células têm uma grande sensibilidade diante de substâncias estranhas que invadem o corpo. Mesmo diante de pequenas quantidades de antígenos, as células se excitam e desencadeiam uma intensa mobilização da nossa defesa.

Aquisição de memória

Uma vez que o sistema imunológico tenha entrado em contato com um agente infeccioso, poderá desenvolver células capazes de reconhecer esse agente, mesmo depois de várias décadas.

RESPOSTA ESPECÍFICA

A resposta imune é um dos mais importantes mecanismos adaptativos, pois permite a sobrevivência em ambientes potencialmente lesivos. A batalha contra a infecção se processa em duas frentes: a imunidade humoral, mediada por anticorpos, e a imunidade celular, mediada por células.

Em função da inflamação, aumenta a drenagem de líquido e de materiais pelos vasos linfáticos e a chegada desses materiais aos gânglios linfáticos da região, onde existem muitos macrófagos.

Entre as células que normalmente são encontradas nos gânglios linfáticos destacam-se os linfócitos e as células apresentadoras de antígenos, que reconhecem substâncias estranhas ao corpo (macrófagos). Essas estimulam os linfócitos T4 ou auxiliadores a produzirem inúmeras substâncias capazes de estimular outros linfócitos T e outras importantes células de defesa. Essas substâncias são as interleucinas e os interferons.

Algumas interleucinas estimulam os linfócitos B, que se transformam em plasmócitos, células produtoras de anticorpos (ou imunoglobulinas), proteínas presentes no plasma sangüíneo. A resposta dependente de anticorpos é chamada imunidade humoral. Os anticorpos apresentam diversos mecanismos de ação, dos quais podemos destacar como mais importantes:

è alguns anticorpos, quando se ligam à superfície de uma bactéria, têm capacidade própria de destruí-la.

è existem bactérias dotadas de cápsulas, que são capazes de escapar da fagocitose executada por neutrófilos e  macrófagos. Entretanto, quando estão recobertas pelos anticorpos, passam a ser fagocitadas.

è os anticorpos que recobrem as mucosas, como as das vias aéreas e as do tubo digestório, podem impedir que os agentes infecciosos as atravessem.

A ligação entre o anticorpo e o antígeno tem elevada especificidade, ou seja, cada anticorpo se liga a um antígeno específico. A resposta humoral desencadeada contra um antígeno não é eficaz contra outro.

Em segunda exposição a um determinado antígeno, a produção de anticorpos é mais rápida e intensa, ao que chamamos resposta imune secundária.

Os anticorpos são bastante ativos contra patógenos extracelulares, como a maioria das bactérias. Parasitas intracelulares, como os vírus, oferecem maior dificuldade para serem destruídos e a ação dos anticorpos é menos eficaz. Nesses casos, as células de defesa (linfócitos T8 e linfócitos NK – Natural Killer, que possuem importante ação citotóxica) atacam e destroem as células que estão sendo parasitadas ou atacam os vírus no momento em que deixam as células parasitadas. Como o ataque às células infectadas é feito por outras células e não por anticorpos, chamamos imunidade celular. É desencadeada quando as interleucinas ativam os macrófagos, que aumentam sua capacidade fagocitária, além de gerar radicais livres com intensa ação destruidora sobre agentes infecciosos.

Ao mesmo tempo em que aparecem células de memória da linhagem B, também algumas células da linhagem T adquirem “memória imunológica”, podendo desencadear uma resposta celular do tipo citotóxica com mais rapidez e intensidade.

Recomende este site

Clique para consultar na Bioloja:

Apresentação: Introdução à Fisiologia Humana

Apresentação: Sistemas Imune e Linfático

Apresentação: Inflamação

Apresentação: Hematologia: Eritrócitos

Apresentação: Reparo e Cicatrização de Lesões

 

Clique para consultar no UOL Cursos Online:

Imunologia Clínica Laboratorial

Imunização do Bebê

Imunonutrição

Enfermagem em Imunização

 

Clique para consultar no Submarino:

Imunologia Celular e Molecular ABUL K. ABBAS & ANDREW H. LICHTMAN & JORDAN S. POBER

Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL

Netter - Atlas de Fisiologia Humana  BRUCE M. KOEPPEN, JOHN T. HANSEN

Fisiologia Humana  ARTHUR C. GUYTON

Fundamentos de Anatomia e Fisiologia  DONALD C. RIZZO

 

     

www.afh.bio.br © Ana Luisa Miranda-Vilela