SISTEMAS

ESPECIAIS

BOLETIM

Saiba por e-mail as novidades do site.

Endereço de correio:

 

--- Clique Todo Dia para Colaborar! ---

Para obter material didático sobre outras áreas da biologia, acesse:

 

CURIOSIDADES FISIOLÓGICAS

SISTEMA RESPIRATÓRIO

1-    Por que soluçamos?

O soluço é resultado de uma contração involuntária do diafragma, um fino músculo que separa o tórax do abdômen e que, juntamente com os músculos intercostais externos, é responsável pelo controle da respiração. Seus movimentos de contração e relaxamento permitem que inspiremos e expiremos o ar e são controlados pelo nervo frênico, situado logo acima do estômago. Os incômodos do soluço  surgem a partir de uma irritação do nervo frênico, cujas causas podem ser diversas (distensão gástrica pela ingestão de bebidas com gás, deglutição de ar ou alimentação em grande volume; mudanças súbitas da temperatura de alimentos ingeridos; modificações da temperatura corporal, como sauna seguida de ducha gelada; ingestão de bebidas alcoólicas; ou até mesmo gargalhadas). Quando ele fica ou sensibilizado, envia uma mensagem para o diafragma se contrair, o que dispara o soluço.

O característico barulhinho "hic, hic" surge quando ocorre fechamento súbito da glote (abertura superior da laringe, onde se localizam as cordas vocais), produzindo vibração nas cordas vocais.

Figura: http://www.farolbr.com/exibe12.asp?id=2438

 

Figura traduzida de: http://health.yahoo.com/topic/respiratory/overview/article/healthwise/popup/zm2667

 

2-    Susto cura soluço? Por que?

Sim. Quando levamos um susto, provocamos uma forte inspiração, levando a um aumento do volume de ar nos pulmões. Os pulmões pressionam o diafragma, fazendo com que ele se estique e volte a funcionar normalmente. Mas existem maneiras menos drásticas que também funcionam: tomar um copo d'água com nariz tampado ou inspirar e segurar o ar por alguns instantes.

3-    Como acontece o reflexo da tosse?

Os brônquios e a traquéia são tão sensíveis a um toque leve, que quantidades mínimas de material estranho ou substâncias que causam irritação iniciam o reflexo da tosse. Impulsos nervosos aferentes passam das vias respiratórias (principalmente pelo nervo vago) ao bulbo (medula oblonga), onde uma seqüência automática de eventos é disparada por circuitos neuronais locais, causando os seguintes efeitos:

- inspiração de até 2,5 litros de ar;

- fechamento da epiglote e das cordas vocais para aprisionar o ar no interior dos pulmões;

- contração forte dos músculos abdominais e dos músculos intercostais internos, empurrando o diafragma e provocando aumento rápido de pressão nos pulmões (de 100 mmHg ou mais);

- abertura súbita das cordas vocais e da epiglote e liberação do ar dos pulmões sob alta pressão.

Desta forma, o ar que é expelido de forma explosiva dos pulmões para o exterior se move tão rapidamente que carrega consigo qualquer material estranho que esteja presente nos brônquios e na traquéia.

 

Figura adaptada de http://coursejournal_medicina.blogs.sapo.pt

 

4- Como acontece o reflexo do espirro?

O reflexo do espirro é muito parecido com o reflexo da tosse, exceto pelo fato de se aplicar às vias nasais, ao invés das vias respiratórias inferiores: o estímulo que inicia o reflexo do espirro é a irritação das vias nasais. Impulsos aferentes passam do quinto par de nervo craniano ao bulbo, onde o reflexo é disparado. Uma série de reações semelhantes às do reflexo da tosse acontece, grandes quantidades de ar passam rapidamente pelo nariz, ajudando, assim, a limpar as vias nasais.

Você sabia que:

- o ar que sai das narinas durante o espirro atinge em média 150 Km/hora?

- ao espirrarmos espalhamos aproximadamente 40 mil gotículas de saliva?

Pois é, por isto o espirro é uma excelente fonte de transmissão de doenças respiratórias.

 

5- Por que é impossível espirrar de olhos abertos?

Tirando o mito primeiro: não é porque os olhos podem sair da órbita que os fechamos ao espirrar (UFA)!

 

Quando uma partícula estranha entra no corpo pelas vias nasais, estimula os receptores locais que, por meio do nervo trigêmio (que coordena os movimentos da face), avisam o tronco encefálico que é hora de entrar em ação.

Ao receber a mensagem, o tronco encefálico reage imediatamente à invasão, gerando uma série de impulso motores que contraem o abdômen, o tórax e o diafragma, até chegar ao nervo facial.

Os reflexos que chegam ao nervo facial também desencadeiam movimentos para expulsar a partícula estranha. Essas contrações atingem diversos músculos da face, incluindo o músculo orbicular, que controla o abrir e o fechar dos olhos. Como resultado de todo esse esforço,  fechamos os olhos.

Recomende este site

Clique para consultar na Bioloja:

Apresentação: Introdução à Fisiologia Humana

Apresentação: Sistema Esquelético

Apresentação: Sistema Muscular

Apresentação: Tecido Muscular

Apresentação: Fisiologia da Contração Muscular

Apresentação: Sistema Sensorial 1 - Visão e Tato

Apresentação: Sistema Sensorial 2 - Audição, Olfato e Gustação

Apresentação: Sistema Respiratório

Apresentação: Sistema Reprodutor Feminino

Apresentação: Histologia do Aparelho Reprodutor Feminino

 

Clique para consultar no UOL Cursos Online:

Evolução e Preparação Física no Futebol

Evolução e Preparação Física no Futebol (audiocurso)

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol (audiocurso)

O Mundo do Futebol com Zico

Musculação do Iniciante ao Avançado

Técnicas Posturais

Prevenção de Doenças Respiratórias e Cardiovasculares

Visão psicodinâmica e distúrbios sexuais

Fisiologia do Sistema Sensorial

Fisiologia do Sistema Sensorial (audiocurso)

 

Clique para consultar no Submarino:

Fisiologia Básica do Sistema Respiratório JEREMY P. T. WARD, JANE WARD, RICHARD M. LEACH

Respiração PHILIPPE-EMMANUEL SOUCHARD 

Compêndio do Sistema Respiratório JEREMY P. T. WARD, JANE WARD, CHARLES M. WIENER, RICHARD M. LAEACH

Resumão Sistema uro-genital VINCENT PEREZ

Rotinas em Infertilidade e Contracepção EDUARDO PANDOLFI PASSOS, JOÃO SABINO L. CUNHA, FERNANDO FREITAS

Manual Prático de Tratamento Clínico das Disfunções Sexuais RICARDO C. CAVALCANTI

Disfuncão Sexual - Diagnóstico e Tratamento MARIO PARANHOS & MIGUEL SROUGI

Endocrinologia Ginecológica e Reprodutiva MARIO GÁSPARE GIORDANO

Endocrinologia Ginecológica LUCAS VIANNA MACHADO

Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL

Netter - Atlas de Fisiologia Humana  BRUCE M. KOEPPEN, JOHN T. HANSEN

Fisiologia Humana  ARTHUR C. GUYTON
Fundamentos de Anatomia e Fisiologia  DONALD C. RIZZO

Neurociências: Desvendando o Sistema Nervoso MARK F. BEAR & BARRY W. CONNORS & MICHAEL A. PARADISO

Resumão Músculos, Origens & Inserções

Resumão: Artrose

Ossos, Músculos e Articulações Saudáveis - Um Guia para se Manter Ativo por Toda a Vida

Estrutura e Função do Sistema Musculoesquelético JAMES WATKINS

Anatomia do Corpo em Movimento: Ossos, Músculos e Articulações THEODORE DIMON JR.

Músculos SIEGEL

Radiologia - Anatomia Humana - Noções Básicas de Traumatologia CASSIA XAVIER SANTOS (Org.)

 

     

www.afh.bio.br © Ana Luisa Miranda-Vilela