SISTEMAS

ESPECIAIS

BOLETIM

Saiba por e-mail as novidades do site.

Endereço de correio:

 

--- Clique Todo Dia para Colaborar! ---

Para obter material didático sobre outras áreas da biologia, acesse:

 

ALGUNS DISTÚRBIOS CARDÍACOS

Sopro no coração

É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes das câmaras. Na maioria das vezes, não existem sequelas. No entanto, quando o sopro é muito forte, decorrente de lesões nas paredes das câmaras, ele certamente precisará ser tratado, pois um volume considerável de sangue venoso irá se misturar com o sangue que já foi oxigenado.

Algumas pessoas já nascem com válvulas anormais. Outras vão apresentar esse tipo de alteração por causa de males como a febre reumática, a insuficiência cardíaca e o infarto, que podem modificar as válvulas.

Imagem: www.braile.com.br/saude/hospital1.pdf

Sintomas: Sopros são caracterizados por ruídos anormais, percebidos quando o médico ausculta o peito  e ouve um som semelhante ao de um fole. O problema pode ser diagnosticado de maneira mais precisa pelo exame de ecocardiograma, que mostra o fluxo sanguíneo dentro do coração.

Tratamento: Como existem várias causas possíveis, o médico precisa ver o que está provocando o problema antes de iniciar o tratamento — que vai desde simples medicamentos até intervenções cirúrgicas para conserto ou substituição das válvulas, que poderão ser de material biológico ou fabricadas a partir de ligas metálicas.

Prevenção: Não há uma maneira de prevenir o sopro. Mas existem formas de evitar que ele se agrave. Para isso, é importante que você saiba se tem ou não o problema, realizando exames de check-up.

 Infarto do miocárdio

É a morte de uma área do músculo cardíaco (miocárdio), cujas células ficaram sem receber sangue com oxigênio e nutrientes; ou seja, é uma lesão isquêmica do miocárdio, que deve-se à falta de oxigênio e nutrientes.

Imagem: www.unifesp.br/dmed/cardio/ch/cardio.htm

            A interrupção do fluxo sanguíneo para o coração pode acontecer de várias maneiras. Os vasos sanguíneos que irrigam o miocárdio, chamados artérias coronárias, podem apresentar depósito de gordura e cálcio, levando a uma obstrução e comprometendo a irrigação do coração. A gordura vai se acumulando nas paredes das artérias coronárias e, com o passar do tempo, formam-se placas (calcificadas ou não), denominadas placas de ateroma (veja o tópico aterosclerose abaixo),  impedindo que o sangue flua livremente. Então, basta um espasmo, provocado pelo estresse por exemplo, para que a passagem da circulação se feche. Também pode ocorrer da placa crescer tanto que obstrui o caminho sanguíneo completamente, ou seja, quando as placas de gordura ou ateromas entopem completamente a artéria e o sangue não passa. Dessa forma, as células no trecho que deixou de ser banhado pela circulação acabam morrendo. A interrupção da passagem do sangue nas artérias coronárias também pode ocorrer devido contração de uma artéria parcialmente obstruída ou à formação de coágulos (trombose).

Imagem: www.saludhoy.com/htm/homb/articulo/infarca1.html

Sintomas: O principal sinal é a dor muito forte no peito, que pode se irradiar pelo braço esquerdo e pela região do estômago.

Prevenção: Evite o cigarro, o estresse, os alimentos ricos em colesterol e o sedentarismo, que são os principais fatores de risco. Também não deixe de controlar a pressão arterial.

Tratamento: Em primeiro lugar, deve-se correr contra o relógio, procurando um atendimento imediato — a área do músculo morta cresce feito uma bola de neve com o passar do tempo. Se ficar grande demais, o coração não terá a menor chance de se recuperar. Conforme a situação, os médicos podem optar pela angioplastia, em que um catéter é introduzido no braço e levado até a coronária entupida. Ali, ele infla para eliminar o obstáculo gorduroso. Outra saída é a cirurgia: os médicos constroem um desvio da área infartada — a ponte — com um pedaço da veia safena da perna ou da artéria radial ou das artérias mamárias (ver o próximo tópico: revascularização do miocárdio).

 Revascularização do miocárdio: durante a cirurgia de revascularização do miocárdio, um vaso sanguíneo, que pode ser a veia safena (da perda), a artéria radial (do braço) e/ou as artérias mamárias (direita ou esquerda) são implantadas no coração, formando uma ponte para normalizar o fluxo sanguíneo. O número de pontes pode variar de 1 a 5, dependendo da necessidade do paciente.

Imagem: www.braile.com.br/saude/hospital1.pdf

Imagens: www.geocities.com/HotSprings/Villa/1298/heartmate.html 

 Cateterismo (angioplastia por stent):

1- Para ver o local da obstrução, é inserido um cateter (tubo com um visor) que identifica até onde o sangue ainda chega dentro da artéria.

 

2- Identificada a área obstruída, coloca-se um fio através do cateter. Há um balão vazio nesse fio, que é inflado no local de bloqueio, esmagando as placas que provocaram o entupimento. Uma evolução: o stent (tela de aço inoxidável) acompanha o balão e consegue aumentar a eficácia do procedimento.

3- Além de esmagar a placa de obstrução, o balão, quando cheio, monta o stent. A tela de aço, já montada, cola na parede interna da artéria e impede que esta se feche.

 

4- O balão que acompanhou o fio durante a angioplastia esvazia e é retirado da artéria. Mas o stent permanece. No momento em que o balão seca, o sangue volta a circular normalmente.

 

5- Depois de instalado o stent, o fio é retirado junto com o tubo do catéter que lhe deu passagem. As chances de sucesso da angioplastia com stent chegam a 98%.

Não pode ser usada em:

  • pessoas com mais de 80 anos;
  • pacientes que sofrem de doenças hemorrágicas;
  • quem fez a cirurgia nos últimos 6 meses;
  • quem sofreu derrame cerebral nos últimos dois anos.

Imagem e conteúdo da tabela: www.santalucia.com.br/hemodinamica/angioplastia.htm

Aterosclerose

Doença decorrente do aparecimento, nas paredes das artérias, de depósitos de gordura contendo principalmente LDL colesterol (“mau colesterol”), mas também pequenas quantidades de fosfolipídios e gorduras neutras (placas de ateroma). Trabalhos recentes indicam que o LDL se acumula no interior das paredes dos vasos, onde seus componentes se oxidam e sofrem outras alterações. Os componentes alterados dão origem a uma resposta inflamatória que altera progressiva e perigosamente os vasos. Gradualmente desenvolve-se fibrose dos tecidos situados ao redor ou no interior dos depósitos gordurosos e, frequentemente, a combinação do cálcio dos líquidos orgânicos com gordura forma compostos sólidos de cálcio que, eventualmente, se desenvolve em placas duras, semelhantes aos ossos. Dessa forma, no estágio inicial da aterosclerose aparecem apenas depósitos gordurosos nas paredes dos vasos, mas nos estágios terminais os vasos podem tornar-se extremamente fibróticos e contraídos, ou mesmo de consistência óssea dura, caracterizando uma condição chamada arteriosclerose ou endurecimento das artérias.

Imagem: www.unifesp.br/dmed/cardio/ch/cardio.htm

Descobertas recentes indicam que os efeitos protetores do HDL colesterol (“bom colesterol”) derivam não só da remoção do LDL colesterol dos vasos, mas também por interferirem na oxidação de LDL.

A aterosclerose muitas vezes cauda oclusão coronária aguda, provocando infarto do miocárdio ou "ataque cardíaco".

Prevenção: Reduzir o peso e a ingestão de gorduras saturadas e colesterol (presente apenas em alimentos de origem animal), parar de fumar, fazer exercícios físicos.

Arritmia

Imagem: Revista Saúde é Vital

Toda vez que o coração sai do ritmo certo, diz-se que há uma arritmia. Ela ocorre tanto em indivíduos saudáveis quanto em doentes. Várias doenças podem dispará-la, assim como fatores emocionais — o estresse, por exemplo, é capaz de alterar o ritmo cardíaco.

Os batimentos perdem o compasso de diversas maneiras. A bradicardia ocorre quando o coração passa a bater menos de 60 vezes por minuto — então, pode ficar lento a ponto de parar. Já na taquicardia chegam a acontecer mais de 100 batimentos nesse mesmo período. 

A agitação costuma fazê-lo tremer, paralisado, em vez de contrair e relaxar normalmente. Às vezes surgem novos focos nervosos no músculo cardíaco, cada um dando uma ordem para ele bater de um jeito. No caso, também pode surgir a parada cardíaca.

 Sintomas: Na taquicardia, o principal sintoma é a palpitação. Nas bradicardias ocorrem tonturas e até desmaios.

Imagem: www.braile.com.br/saude/hospital1.pdf

Tratamento: Em alguns casos, os médicos simplesmente receitam remédios. Em outros, porém, é necessário apelar para a operação. Hoje os cirurgiões conseguem implantar no coração um pequeno aparelho, o marca-passo, capaz de controlar os batimentos cardíacos.

Prevenção: Procure um médico ao sentir qualquer sintoma descrito acima. Além disso, tente diminuir o estresse no seu dia-a-dia.Reduzir o peso e a ingestão de gorduras saturadas e colesterol (presente apenas em alimentos de origem animal), parar de fumar, fazer exercícios físicos.

Arteriosclerose ou Arterioesclerose

Processo de espessamento e endurecimento da parede das artérias, tirando-lhes a elasticidade. Decorre de proliferação conjuntiva em substituição às fibras elásticas. Pode surgir como consequência da aterosclerose (estágios terminais) ou devido ao tabagismo. O cigarro, além da nicotina responsável pela dependência, tem cerca de 80 substâncias cancerígenas e outras radioativas, com perigos genéticos. Investigações epidemiológicas mostram que esse vício é responsável por 75% dos casos de bronquite crônica e enfisema pulmonar, 80% dos casos de câncer do pulmão e 25% dos casos de infarto do miocárdio. Além disso, segundo pesquisas, os fumantes têm risco entre 100% e 800% maior de contrair infecções respiratórias bacterianas e viróticas, câncer da boca, laringe, esôfago, pâncreas, rins, bexiga e colo do útero, como também doenças do sistema circulatório, como arteriosclerose, aneurisma da aorta e problemas vasculares cerebrais. A probabilidade de aparecimento desses distúrbios tem relação direta com o tempo do vício e sua intensidade. O cigarro contrai as artérias coronárias e, ao mesmo tempo, excita excessivamente o coração; também favorece a formação de placas de ateroma (aumento de radicais livres).

Prevenção:  Reduzir o peso e a ingestão de gorduras saturadas e colesterol, parar de fumar, fazer exercícios físicos.

Hipertensão

O termo hipertensão significa pressão arterial alta. Caracteriza-se por uma pressão sistólica superior a 14 cm de mercúrio (14 cmHg = 140 mmHg) e uma pressão diastólica superior a 9 cm de mercúrio (9 cmHg ou 90 mmHg). A hipertensão pode romper os vasos sanguíneos cerebrais (causando acidente vascular cerebral ou derrame), renais (causando insuficiência renal) ou de outros órgãos vitais, causando cegueira, surdez etc. Pode também determinar uma sobrecarga excessiva sobre o coração, causando sua falência.

Causas da hipertensão: o conceito mais moderno e aceito de hipertensão defende que a doença não tem uma origem única, mas é fruto da associação de vários fatores, alguns deles incontroláveis: hereditariedade, raça, sexo e idade. As causas se combinam, exercendo ação recíproca e sinérgica.  Veja na tabela a seguir o “peso” de cada um desses ingredientes.

Genética: fatores genéticos podem predispor à hipertensão.

Etnia ou "raça": incide mais e de forma mais severa sobre negros.

Sexo: os homens têm mais propensão à pressão alta do que as mulheres antes da menopausa. Depois empatam ou pode haver até ligeira predominância feminina.

Idade: a maioria dos estudos mostra que a hipertensão afeta 50% da população com idade acima de 60 anos. Isso depende do grupo étnico e do sexo. O mais comum nesses casos é a elevação da pressão máxima, sem que ocorra o aumento da mínima, que é decorrente do enrijecimento das artérias.

 

Como fatores genéticos, podemos citar:

  • alta concentração de cálcio na membrana das células (defeito primário): aumenta a contração da musculatura lisa das artérias, fazendo-as se fecharem, o que diminui a passagem de sangue, resultando na hipertensão essencial ou primária (fator genético);

  • aumento da concentração de sódio nas paredes das artérias, fazendo-as se fecharem cada vez mais (fator genético);

Além dos fatores incontroláveis, descritos anteriormente, obesidade, excesso de sal, álcool, fumo, vida sedentária, estresse e taxas elevadas de colesterol (LDL) são fatores que favorecem a elevação da pressão arterial.

O uso de anticoncepcionais orais (pílulas anticoncepcionais) também é um fator que predispõe mais as mulheres à hipertensão.

O cigarro e níveis elevados de colesterol (LDL) também estão entre os elementos de risco: cerca de 70% do colesterol existente no homem é produzido pelo próprio organismo, no fígado. O restante provém da alimentação, dos produtos de origem animal. Por isso, o distúrbio pode ter origem externa, resultante principalmente de dietas erradas e vida sedentária, ou interna, de causa genética. A consequência direta é a aterosclerose, que dificulta ou, às vezes, impede o fluxo sanguíneo na região.

O uso abusivo de descongestionantes nasais e medicamento em spray para asma também aumentam as chances de hipertensão.

Pessoas diabéticas têm tendência a desenvolver hipertensão e outras doenças que atingem o coração.

 

Prevenção:

  • dieta hipossódica (com pouco sal) e hipocalórica (sem excesso de calorias);
  • redução de peso;
  • prática de exercícios físicos aeróbicos (de baixa intensidade e longa duração) ou isotônicos (com grande movimentação dos membros). Sedentários devem procurar um cardiologista antes de iniciar qualquer tipo de exercício;
  • dieta balanceada rica em vegetais e frutas frescas e pobre em gorduras saturadas e colesterol;
  • medir periodicamente (a cada seis meses) a pressão arterial e tratar o diabetes (quando for o caso);
  • eliminar ou reduzir o fumo e, nos casos de mulheres hipertensas, eliminar o uso de contraceptivos orais (são uma bomba para o coração quando associados ao cigarro);
  • reduzir a ingestão de bebidas alcoólicas;
  • consultar o médico regularmente

Recomende este site

Clique para consultar na Bioloja:

Apresentação: Introdução à Fisiologia Humana

Apresentação: Sistema Cardiovascular

Apresentação: Proteínas do Plasma

Apresentação: Sangue e Coagulação

Apresentação: Hematologia: Eritrócitos

Apresentação: Distúrbios Cardiovasculares

Apresentação: Absorção e Distribuição de Fármacos

Apresentação: Biotransformação e Eliminação de Fármacos

Apresentação: Fatores de Crescimento

 

Clique para consultar no UOL Cursos Online:

Prevenção de Doenças Respiratórias e Cardiovasculares

 

Clique para consultar no Submarino:

Resumão – Coração

Envelhecimento do Sistema Cardiovascular, O - Fisiologia e Patologia VLADIMIR V. FROLKIS & VLADISLAV V. BEZRUKOV & OLEG K. KULCHITSKY

Distúrbios Cerebrais de Origem Vascular JAMES E. TOOLE

Bases Moleculares das Doenças Cardiovasculares JOSÉ EDUARDO KRIEGER

Endotelio - Doenças Cardiovasculares FRANCISCO R.M. LAURINDO

Ecocardiografia de Estresse e Contraste

Tratado de doenças cardiovasculares EUGENE BRAUNWALD

Cardiologia Baseada em Relatos de Casos FLAVIO TARASOUTCHI

Emergências em Cardiologia Pediátrica ANTONIO AUGUSTO LOPES

DVD O Sopro No Coração LOUIS MALLE

Infarto Agudo do Miocárdio SALIM KANAAN

Novas Estratégias Na Reperfusão Química Do Infarto DANTE PAZZANESE

Current - Nefrologia e Hipertensão - Diagnóstico e Tratamento EDGAR V. LERMA; JEFFREY S. BERNS; ALLEN R. NISSENSON

Doença Coronária e Aterosclerose SÍLVIA LAGE, JOSÉ ANTONIO F. RAMIRES

Tratamento da Aterosclerose e Dislipdemias  FRANCISCO ANTONIO HELFENSTEIN FONSECA

Fundamentos em Dislipidemia e Aterosclerose  CHRISTIE M. BALLANTYNE, JAMES H. O`KEEFE, ANTONIO M. GOTTO

Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL

Netter - Atlas de Fisiologia Humana  BRUCE M. KOEPPEN, JOHN T. HANSEN

Fisiologia Humana  ARTHUR C. GUYTON
Fundamentos de Anatomia e Fisiologia  DONALD C. RIZZO

 

     

www.afh.bio.br © Ana Luisa Miranda-Vilela