SISTEMAS

ESPECIAIS

BOLETIM

Saiba por e-mail as novidades do site.

Endereço de correio:

 

--- Clique Todo Dia para Colaborar! ---

Para obter material didático sobre outras áreas da biologia, acesse:

 

Eletrocardiograma (ECG)

O trabalho cardíaco produz sinais elétricos que passam para os tecidos vizinhos e chegam à pele. Assim, com a colocação de eletrodos no peito, podemos gravar as variações de ondas elétricas emitidas pelas contrações do coração. O registro dessas ondas pode ser feito numa tira de papel ou num monitor e é chamado de eletrocardiograma (ECG).

No coração normal, um ciclo completo é representado por ondas P, QRS e T, com duração total menor do que 0,8 segundos.

Imagem: AVANCINI & FAVARETTO. Biologia – Uma abordagem evolutiva e ecológica. Vol. 2. São Paulo, Ed. Moderna, 1997.

Neste gráfico se distingue uma onda P que corresponde à contração das aurículas, e um consecutivo complexo QRS determinado pela contração dos ventrículos. Conclui o ciclo uma onda T. Muitas alterações cardíacas determinam uma modificação da onda eletrocardiográfica normal, de modo que o eletrocardiograma representa um precioso meio de diagnóstico.

ECG normal

Imagem: 2° vestibular UnB/DF 2001

A figura II representa um ciclo cardíaco. Se o tempo estimado em cada quadrante é de  0,2 segundos (mostrado na figura I) e um ciclo compreende 5 quadrantes, em 60 segundos (1 minuto), teremos a frequência de 60 ciclos ou batimentos por minuto (0,2 segundos x 5 = 1 segundo = 1 ciclo; em 60 segundos teremos 60 ciclos).

 

 

Assista a uma vídeo aula sobre o eletrocardiograma clicando aqui.

 

 

 Circulação pulmonar e circulação sistêmica

Imagem: CD O CORPO HUMANO 2.0. Globo Multimídia.

A circulação sanguínea humana pode ser dividida em dois grandes circuitos: um leva sangue aos pulmões, para oxigená-lo, e outro leva sangue oxigenado a todas as células do corpo. Por isso se diz que nossa circulação é dupla. O trajeto “coração (ventrículo direito) è pulmões è coração (átrio esquerdo)” é denominado circulação pulmonar ou pequena circulação. O trajeto “coração (ventrículo esquerdo) è sistemas corporais è coração (átrio direito)” é denominado circulação sistêmica ou grande circulação.

Circulação pulmonar:

Ventrículo direito è artéria pulmonar è pulmões è veias pulmonares è átrio esquerdo.

Circulação sistêmica:

Ventrículo esquerdo è artéria aorta è sistemas corporais è veias cavas è átrio direito.

VASOS SANGUÍNEOS

Os vasos sanguíneos são de três tipos básicos: artérias, veias e capilares.

a- Artérias: são vasos de parede espessa que saem do coração levando sangue para os órgãos e tecidos do corpo. Compõem-se de três camadas: a mais interna, chamada endotélio, formada por uma única camada de células achatadas; a mediana, constituída por tecido muscular liso; a mais externa, formada por tecido conjuntivo, rico em fibras elásticas.

Quando o sangue é bombeado pelos ventrículos e penetra nas artérias, elas se relaxam e se dilatam, o que diminui a pressão sanguínea, Caso as artérias não se relaxem o suficiente, a pressão do sangue em seu interior sobe, com risco de ruptura das paredes arteriais. Assim, a cada sístole ventricular é gerada uma onda de relaxamento que se propaga pelas artérias, desde o coração até as extremidades das arteríolas. Durante a diástole ventricular, a pressão sanguínea diminui. Ocorre, então, contração das artérias, o que mantém o sangue circulando até a próxima sístole.

Pressão arterial: é a pressão exercida pelo sangue contra a parede das artérias. Em um adulto com boa saúde, a pressão nas artérias durante a sístole ventricular – pressão sistólica ou máxima – é da ordem de 120 mmHg (milímetros de mercúrio). Durante a diástole, a pressão diminui, ficando em torno de 80 mmHg; essa é a pressão diastólica ou mínima. O ciclo de expansão e relaxamento arterial, conhecido como pulsação, pode ser percebido facilmente na artéria radial do pulso ou na artéria carótida do pescoço. A pulsação corresponde às variações de pressão sanguínea na artéria durante os batimentos cardíacos. As pressões arteriais máxima e mínima podem ser detectadas nas artérias do braço e medidas com um aparelho chamado esfigmomanômetro, representado abaixo e ao lado.

(a) A pressão na bolsa de ar maior que 120 mmHg interrompe o fluxo sanguíneo para o braço. Com o estetoscópio, o examinador verifica que não há passagem de sangue pela artéria.

(b) A pressão na bolsa de ar entre 80 e 120 mmHg permite o fluxo de sangue durante a sístole. O som da passagem de sangue é audível no estetoscópio. A pressão mostrada nesse momento é a pressão máxima ou sistólica.

(c) A pressão na bolsa de ar menor que 80 mmHg permite fluxo de sangue durante a diástole; os sons são audíveis no estetoscópio. Essa é a pressão mínima ou diastólica.

b- Capilares sanguíneos: são vasos de pequeno calibre que ligam as extremidades das arteríolas às extremidades das vênulas. A parede dos capilares possui uma única camada de células, correspondente ao endotélio das artérias e veias.

Quando o sangue passa pelos capilares, parte do líquido que o constitui atravessa a parede capilar e espalha-se entre as células próximas, nutrindo-as e oxigenando-as. As células, por sua vez, eliminam gás carbônico e outras excreções no líquido extravasado, denominado líquido tissular. A maior parte do líquido tissular é reabsorvida pelos próprios capilares e reincorporada ao sangue. Apenas 1% a 2% do líquido extravasado na porção arterial do capilar não retorna à parte venosa, sendo coletado por um sistema paralelo ao circulatório, o sistema linfático, quando passa a se chamar linfa e move-se lentamente pelos vasos linfáticos, dotados de válvulas.

è Na porção arterial do capilar, a pressão do sangue é maior que a pressão osmótica do plasma → saída de água contendo substâncias dissolvidas.

è Na porção venosa do capilar, a pressão do sangue é reduzida, tornando-se menor que a pressão osmótica do plasma → retorno de fluido para o interior do capilar.

c- Veias: são vasos que chegam ao coração, trazendo o sangue dos órgãos e tecidos. A parede das veias, como a das artérias, também é formada por três camadas. A diferença, porém, é que a camada muscular e a conjuntiva são menos espessas que suas correspondentes arteriais. Além disso, diferentemente das artérias, as veias de maior calibre apresentam válvulas em seu interior, que impedem o refluxo de sangue e garante sua circulação em um único sentido.

Depois de passar pelas arteríolas e capilares, a pressão sanguínea diminui, atingindo valores muito baixos no interior das veias. O retorno do sangue ao coração deve-se, em grande parte, às contrações dos músculos esqueléticos, que comprimem as veias, fazendo com que o sangue desloque-se em seu interior. Devido às válvulas, o sangue só pode seguir rumo ao coração.

Imagens: CD O CORPO HUMANO 2.0. Globo Multimídia.

Recomende este site

Clique para consultar na Bioloja:

Apresentação: Introdução à Fisiologia Humana

Apresentação: Sistema Cardiovascular

Apresentação: Proteínas do Plasma

Apresentação: Sangue e Coagulação

Apresentação: Hematologia: Eritrócitos

Apresentação: Distúrbios Cardiovasculares

Apresentação: Absorção e Distribuição de Fármacos

Apresentação: Biotransformação e Eliminação de Fármacos

Apresentação: Fatores de Crescimento

 

Clique para consultar no UOL Cursos Online:

Prevenção de Doenças Respiratórias e Cardiovasculares

 

Clique para consultar no Submarino:

Resumão – Coração

Envelhecimento do Sistema Cardiovascular, O - Fisiologia e Patologia VLADIMIR V. FROLKIS & VLADISLAV V. BEZRUKOV & OLEG K. KULCHITSKY

Distúrbios Cerebrais de Origem Vascular JAMES E. TOOLE

Bases Moleculares das Doenças Cardiovasculares JOSÉ EDUARDO KRIEGER

Endotelio - Doenças Cardiovasculares FRANCISCO R.M. LAURINDO

Ecocardiografia de Estresse e Contraste

Tratado de doenças cardiovasculares EUGENE BRAUNWALD

Cardiologia Baseada em Relatos de Casos FLAVIO TARASOUTCHI

Emergências em Cardiologia Pediátrica ANTONIO AUGUSTO LOPES

DVD O Sopro No Coração LOUIS MALLE

Infarto Agudo do Miocárdio SALIM KANAAN

Novas Estratégias Na Reperfusão Química Do Infarto DANTE PAZZANESE

Current - Nefrologia e Hipertensão - Diagnóstico e Tratamento EDGAR V. LERMA; JEFFREY S. BERNS; ALLEN R. NISSENSON

Doença Coronária e Aterosclerose SÍLVIA LAGE, JOSÉ ANTONIO F. RAMIRES

Tratamento da Aterosclerose e Dislipdemias  FRANCISCO ANTONIO HELFENSTEIN FONSECA

Fundamentos em Dislipidemia e Aterosclerose  CHRISTIE M. BALLANTYNE, JAMES H. O`KEEFE, ANTONIO M. GOTTO

Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL

Netter - Atlas de Fisiologia Humana  BRUCE M. KOEPPEN, JOHN T. HANSEN

Fisiologia Humana  ARTHUR C. GUYTON
Fundamentos de Anatomia e Fisiologia  DONALD C. RIZZO

 

     

www.afh.bio.br © Ana Luisa Miranda-Vilela